Quantidade x Qualidade – por Guilherme Henrique

Definitivamente quantidade não é qualidade. A famosa frase do quanto mais, melhor, não se aplica ao treinamento.

Existem duas variáveis inversamente proporcionais no treinamento que são o volume e a intensidade. Quanto maior a intensidade, menor será o volume do treino e vice-versa.

Diversas pessoas ainda afirmam não conseguir ter o corpo que desejam por falta de tempo para treinar, pois não podem ficar horas e horas na academia todos os dias. Porém se engana quem acredita que para alcançar resultados como hipertrofia muscular e diminuição do percentual de gordura é preciso passar muito tempo treinando.

Exercícios intermitentes intercalando alta intensidade com pausas (ativas ou passivas) se mostram mais eficientes do que os exercícios prolongados e, consequentemente, em baixa intensidade (GENTIL, 2010).

O mesmo acontece na musculação, onde treinos prolongados provocam aumento na produção de cortisol, conhecido como hormônio do estresse, um hormônio catabólico, ou seja, hormônio que não só inibe o ganho de massa muscular como pode, ainda, levar ao declínio da mesma, além de provocar acúmulo de gordura corporal.

Em uma revisão de literatura, Cadore et al observaram que as respostas agudas de testosterona aumentam durante o treino de força, porém quando aumenta-se o volume de treino, chega um determinado momento em que os níveis de testosterona estabilizam, mas os níveis de cortisol continuam aumentando, o que sugere que treinos volumosos são prejudiciais ao ganho de massa muscular, ao ganho de força e à perda de gordura corporal.

Sendo assim, não é necessário gastar horas do seu dia na academia. Faça um treino intenso de qualidade, observando detalhes como executar os exercícios em sua amplitude completa, por exemplo, e cuide dos outros fatores que irão envolver as outras 23 horas do seu dia, como alimentação e qualidade do sono.

 

Guilherme Henrique Nascentes

Personal Trainer                                                                                                                          

ghnascentes@gmail.com

(61) 9232-9994

foto 1

Referências:

CADORE, E. L., BRENTANO, M. A., LHULLIER, F. L. R., KRUEL, L. F. M. Fatores Relacionados com as Respostas da Testosterona e do Cortisol ao Treinamento de Força. Rev. Bras. Med. Esporte, Vol. 14, n. 1, Jan/Fev, 2008

GENTIL, P. Emagrecimento: quebrando mitos e mudando paradigmas. Rio de Janeiro: Sprint, 2010. 208 p.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *